CLIPAGEM

Destaque do basquete pernambucano vai jogar em Santo André

Publicado por Diego Toscano às 11:28

19/02/2016
JORNAL DO COMÉRCIO

 

 

Destaque do Nosso Clube, ala Ster Silva jogará em uma das melhores bases do País. Foto: André Nery/JC Imagem.

Destaque do Nosso Clube, ala Ster jogará em uma das melhores bases do País. Fotos: André Nery/JC Imagem.

 

Você lembra de Ster Silva? Em outubro de 2015, o Cestinha fez uma matéria sobre a história de vida da atleta, que é um dos destaques do basquete feminino pernambucano. Nesta semana, a ala do Colégio 2001 e da equipe Nosso Clube recebeu uma grande notícia: vai jogar em São Paulo. Após chamar a atenção da técnica da Seleção Brasileira Sub-17, Anne Freitas, Ster foi contratada para as categorias de base do Santo André (uma das mais fortes do País), equipe paulista que disputa a Liga de Basquete Feminino (LBF).

“Quando me ligaram, nem acreditei. Vou jogar contra as melhores equipes do Brasil em um time grande, que joga a LBF (Liga de Basquete Feminino). Minha família está muito feliz e me apoiando. Agora é a hora de brigar por uma vaga na Seleção Brasileira. É o meu próximo sonho”, afirmou Ster.

A atleta é uma das mais antigas do projeto do Nosso Clube, equipe pernambucana que iniciou suas atividades com o basquete de base em 2010. No início, eram 340 crianças, 40 voluntários e apenas os sábados com quadra disponível.

“A maioria das crianças (carentes) passavam o dia inteiro com a gente, em atividade recreativas usando o basquete. Com a chegada de Mário (Ramires, treinador), afunilamos o grupo de atletas para alcançar o alto rendimento. Mesmo sem a habilidade necessária, Ster foi ficando, com a bola na mão e sempre pedindo sua oportunidade. Ela que começou a cavar suas próprias chances”, relembra Affini Júnior, presidente do Nosso Clube.

Do colesterol alto aos 11 anos, passando pelas dificuldades financeiras de ser de uma humilde família e até por problemas técnicos, Ster superou todas as expectativas. A “ruinzinha” da equipe virou o grande destaque da base feminina do Estado. Em seis anos, colecionou quase dez títulos, entre nacionais, regionais e estaduais. Em 2013, participou do maior feito do Nosso Clube: a medalha de prata no Encontro Sul-Americano de Clubes, em Novo Hamburgo (RS).

 

 

Em seis anos, foram quase 10 títulos com as camisas do Nosso Clube, do Colégio 2001 e por Pernambuco

Em seis anos, foram quase 10 títulos com as camisas do Nosso Clube, do Colégio 2001 e por Pernambuco.

 

“Além dos resultados, ela começou a mostrar um potencial incrível. Para se ter uma ideia, ela já chegou a fazer 46 pontos em apenas uma partida. A técnica da Seleção Brasileira (Anne Freitas) já vinha acompanhando desde o Sul-Americano, quando ficamos com o vice-campeonato. Porém, ainda faltavam as premiações individuais: Ster sempre batia na trave para ser o grande destaque de um torneio”, explicou Affini.

Os prêmios vieram em 2015. No ano passado, Ster foi eleita a melhor atleta Sub-17 de Pernambuco, melhor jogadora dos Jogos Escolares da Juventude (JEJ) e melhor ala da Segundona do Brasileiro de Seleções Sub-17. “A partir desses resultados, começaram a aparecer vários convites. Inclusive, mesmo fechada com Santo André, Presidente Venceslau também chegou a sondar a atleta”, relatou o presidente do Nosso Clube.

Para o técnico Mário Ramires, a atleta provou que, mesmo com as dificuldades que a vida lhe trouxe, a vontade de vencer sempre foi maior. “Muitas desistem na primeira adversidade, por questões técnicas, financeiras ou até familiares. Ster superou tudo isso e fez uma linda história em Pernambuco. Acho que agora é hora dela alçar voos mais altos”, explicou Mário, que acredita que o exemplo de Ster vai fomentar novas atletas no Estado.

“O mais importante de ter uma atleta que sai daqui para reforçar uma equipe de São Paulo é o exemplo que fica para as mais novas. Santo André é uma grande oportunidade para ela. Torço para que essa história de sucesso, de uma pernambucana que não desiste jamais, se torne uma semente para novas jogadoras”, ressaltou.

 

Destaque de projeto social de PE, jovem ala ganha vaga em time de SP

Após ganhar bolsa de estudos por seu desempenho no basquete, Stefanny, 16 anos,
foi chamada para jogar no Santo André; Jogadora foca em sonho de chegar à seleção

Por Malu VeigaRecife

18/02/2016

GLOBO ESPORTE PERNAMBUCO

CLIQUE NO LINK ABAIXO E ASSISTA O VÍDEO DA REPORTAGEM E A MATÉRIA NA INTEGRA

Stefanny da Silva, 16 anos, é filha de mãe solteira. Vive de forma simples, em um quarto e sala situado num beco da comunidade do Beraldo, entre os bairros do Prado e da Madalena. A história dela, entende a mãe, Fabiana da Silva, poderia terminar igual a tantas de outras jovens na mesma condição. A zeladora perdeu as contas de quantas meninas já viu engravidarem na adolescência ou se entregarem às drogas. A vida de Stefanny segue um caminho diferente: graças ao basquete, presente de um projeto social, conseguiu bolsa de estudos em um colégio particular do Recife. Quando se achava que não poderia ficar melhor, a ala alçou voos e se tornou destaque nacional na sua faixa de idade, conseguindo uma vaga no clube paulista Santo André. A viagem já tem data marcada: no dia 22 de fevereiro ela embarca para o salto mais largo que deu – estar no epicentro do basquete do País, disputando o Campeonato Paulista.
Eu treinei e treinei muito para chegar onde estou. Levo pra vida que não importa o que as pessoas falam. Se você acredita, persista.
Steffany da Silva

O esporte provou ser uma ferramenta forte de inclusão e transformação social. E, com a determinação da jovem, um fator extra para o sucesso. O basquete entrou na vida de Stefanny há cinco anos, com o projeto Nosso Clube Social, que ensina a modalidade de forma gratuita para adolescentes entre 12 e 17 anos. As meninas que se sobressaem ganham bolsa de estudos de 100% em escolas particulares parceiras do projeto. Ter experiência de bola está longe de ser um requisito. Apesar de ser um destaque hoje, nos primeiros dois anos não enchia os olhos dos especialistas.

- Demorei muito para evoluir, foram anos para saber o que era uma bandeja – brinca a atleta.

O treinador Mário Ramires – o “manauara mais recifense que existe”, como ele se autodenomina – acredita que três pilares determinam a escolha das meninas.

- Elas têm que se basear em três regrinhas: estar estudando é a primeira. Se elas reprovam, perdem a bolsa e saem do projeto. Depois, comportamento tranquilo dentro e fora de quadra para o bem da coletividade. E, por último, interesse e bom desempenho no basquete.

Ster quer jogar na Seleção Brasileira (Foto: Malu Veiga/Globo Esporte.com)Stefanny, de 16 anos, tem o sonho de jogar na Seleção Brasileira (Foto: Malu Veiga/Globo Esporte.com)

Ster, como é apelidada pelas colegas, começou a jogar bem quando passou a trabalhar dentro e fora de quadra. No clube, só treinava uma vez por semana – aos sábados -, o que não seria suficiente para brilhar.

- Passei a treinar em casa também. Comecei a escrever meus objetivos na vida. Acordava e ia fazer flexões e abdominais para um condicionamento físico melhor. Mário nunca me dava chances dentro de quadra e eu falei: “Poxa, Mário, sou tão ruim assim que você nunca me escolhe?” Foi quando ele me deixou jogar e finalmente saí do banco.

Graças ao basquete, a Stefanny passeou pelo Brasil com as viagens para várias competições disputadas: Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná, Alagoas, Natal e Minas Gerais foram alguns dos destinos visitados. Em território mineiro, levou o troféu de melhor ala do Campeonato Brasileiro Sub-17.

Stefanny mora com a mãe Fabiana (Foto: Malu Veiga/Globo Esporte.com)
Stefanny mora com a mãe Fabiana (Foto: Malu Veiga/Globo Esporte.com)

- Nas nossas condições ela nem sonharia em visitar esses lugares. Quem deu esse presente a ela foi o basquete e a dedicação em ir bem. No começo eu chorava de saudade até quando ela ia para o interior (de Pernambuco). Hoje, adoro quando ela viaja e conhece tudo. A gente vende rifa, algumas meninas também fazem brigadeiro e assim a gente consegue (pagar os custos) – revela a mãe, Fabiana da Silva.

A grande parte dos custos é financiada pelo projeto, que conta com trabalho de voluntários há dez anos. A ideia é que, no futuro, as jogadoras retornem ao clube e multipliquem o aprendizado, num ciclo solidário sem fim. Quem ganha a bolsa, treina três vezes por semana na instituição de ensino e duas no próprio clube.

A oportunidade para jogar no Santo André-SP não caiu do céu. Foi em um Campeonato Brasileiro disputado em Poços de Caldas, Minas Gerais, que a jovem caiu nos olhos da técnica da Seleção Brasileira Feminina, Anne de Freitas Sabatini.

Meu sonho é ir para a seleção brasileira. Aqui em Pernambuco que menina já foi? Há quantos anos? Isso é muito raro.
Steffany da Silva

- Ela (Sabatini) veio conversar comigo e isso fez com que ela entrasse no radar de outros treinadores. Várias equipes de São Paulo conversaram comigo para saber quem era a Ster. Ela vai estar no centro do basquete brasileiro, jogando contra as melhores. Vai ter uma chance de evoluir – afirma Mário, que vê na atleta a melhor da categoria sub-17 de Pernambuco.

Já a jovem é tomada por empolgação e muito foco no seu objetivo principal: chegar à seleção brasileira.

- Meu sonho é ir para a seleção brasileira. Aqui em Pernambuco que menina já foi? Há quantos anos? Isso é muito raro. Esse ano lá no Santo André eu tenho muita chance de chegar lá e vou agarrar com unhas e dentes. Eu moro aqui numa comunidade. Meu sonho também é melhorar minhas condições de vida. Eu penso logo em comprar uma casa para a minha mãe – afirma, esperançosa, Ster;

Nos dias atuais, a jogadora – que não é lá das mais altas com seus 1,68 m de altura – projeta-se no basquete nacional. Conhecendo sua origem, determinação e foco a levaram para a posição em que se encontra hoje.

- Muita gente falava que eu não ia chegar. Nem eu mesma esperava coisas tão grandes.  Eu treinei e treinei muito para chegar aonde estou. Levo pra vida que não importa o que as pessoas falam. Se você acredita, persista.

Em Minas Gerais, jovem foi eleita a melhor ala do Campeonato Brasileiro sub-17 (Foto: Divulgação)Em Minas Gerais, jovem foi eleita a melhor ala do Campeonato Brasileiro sub-17 (Foto: Divulgação)

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>